domingo, setembro 30, 2007

Nem um poema nem um verso nem um canto
tudo raso de ausência tudo liso de espanto
e nem Camões Virgílio Shelley Dante
--- o meu amigo está longe
e a distância é bastante.

Nem um som nem um grito nem um ai
tudo calado todos sem mãe nem pai
Ah não Camões Virgílio Shelley Dante!

--- o meu amigo está longe
e a tristeza é bastante.

Nada a não ser este silêncio tenso
que faz do amor sozinho o amor imenso.
Calai Camões Virgílio Shelley Dante:
o meu amigo está longe
e a saudade é bastante!

Cantiga de Amigo, Ary dos Santos

quarta-feira, setembro 26, 2007

De volta...

...E de volta a Cracóvia...
Uma foto e um poema para lembrar a terra...



" A Terra À Beira Da Noite "

Com o vagar da sombra na lonjura
Que a tarde entorna sobre o descampado,
A distância prolonga-se e perdura
Para além deste tempo limitado.

Vem de longe o aroma a terra pura
Repetir as lavoiras do passado
E eu sou a mais estranha criatura
Sobre a terra que sonha o céu estrelado.

O poente põe luzes na cidade,
Mas a cidade nem sequer supõe
A luz dolente que o poente encerra.

Nada me sei, todo me sinto e há-de
Ser sempre assim que o sol quando se põe
Me põe a mim a prolongar a terra.

Martinho Marques